Editorial 14 de agosto de 2019

Fátima Anjos

2019-08-14

Partilhe:


Vizela está em festa por estes dias e é precisamente esta quarta-feira que sairá à rua o tão acarinhado Cortejo que nos levará numa viagem até aos tempos mais áureos da então vila termal.

Não há dúvidas de que a organização deste evento eleva o nome da cidade, com um cartaz que proporciona aos vizelenses o usufruto de vários espetáculos na sua forma mais democrática, ou seja, de acesso livre, isto numa altura em que quase tudo se paga neste país, inclusive, o acesso à cultura, muitos vezes, inacessível às carteiras de muitos. Basta que olhemos para o preço dos ingressos dos festivais ou dos vários concertos que decorrem em espaços como o Meo Arena ou no Coliseu do Porto.

Ao mesmo tempo, este é um evento que proporciona aos comerciantes locais aumentarem o seu volume de negócios, sendo também uma oportunidade para as associações locais ganharem maior visibilidade - claro, que nada se faz sem trabalho - ao participarem nas Festas da sua Cidade.

É verdade que a edição de 2019 está prestes a chegar ao fim e as expetativas para o Cortejo que, logo mais sairá à rua, estão altas. A melhor forma de retribuirmos o empenho da atual Comissão, liderada por João Vaz, será mesmo sairmos à rua e juntar-nos a esta grande festa.

E é uma festa que, no próximo ano, deverá sofrer alterações, nomeadamente, no espaço em que se encontra implementada atualmente, a zona da restauração. A correr tudo como o previsto, teremos a Praça da República e o Jardim Manuel Faria em obras. Mas também não é menos verdade que para todos os problemas, menos para aquele que já sabemos, há sempre uma solução. Poderá até ser uma oportunidade para reorganizar a área destinada à restauração e aos bares, conferindo-lhe uma imagem mais apelativa.

Entretanto, sabemos que Vizela adormecerá na próxima quinzena, num sono não muito profundo, até porque setembro promete novidades e que vão mexer com a vida dos vizelenses. Estamos a falar das obras que vão arrancar na Av. Eng. Sá e Melo e que vão obrigar à abertura da Rua Dr. Abílio Torres em dois sentidos, o que também só deve acontecer quando estiver concluído o parque de estacionamento que está a ser criado junto ao Fórum Vizela. Funcionará como uma espécie de teste ao futuro do ordenamento do trânsito na rua principal. Ao mesmo tempo, a cumprir-se o que tem vindo a ser anunciado pelo Executivo Municipal, iniciar-se-á a intervenção, ao nível das infraestruturas no centro urbano. Isto para dizer que Vizela ficará virada do avesso. Que seja por uma boa causa e que sejam tomadas todas as medidas possíveis no sentido de minimizar os constrangimentos daqueles que vivem e circulam na cidade e que estes também possam ter alguma paciência.

Mas até lá, votos de uma ótimas férias! O RVJornal parte este ano, uma semana mais tarde, isto para dizer, que dia 21, estará nas bancas com uma edição de rescaldo às Festas da Cidade, porque vocês merecem!
 
Divirtam-se!