Rui Amorim:“No final um lugar no Play Off será do FC Vizela"

Treinador do FC Vizela faz balanço positivo à prestação da sua equipa na primeira volta do Campeonato

Rui Amorim, treinador do FC Vizela, faz um balanço positivo à participação da equipa,

na primeira volta do Campeonato de Portugal. A presença no primeiro lugar da competição, a melhor defesa e ataque, assim como as boas exibições conseguidas são indicadores que deixam antever a presença dos vizelenses no Play Off de Promoção. O treinador acredita que com a ajuda dos adeptos este objetivo será conseguido.

 

 

 

Rádio Vizela (RV) – Que balanço faz à primeira volta da prova?

Rui Amorim (RA) – O balanço só pode ser positivo. Se deixarmos para trás o sabor amargo que nos trouxe a derrota do último domingo, é claro que estamos satisfeitos com o trabalho feito até aqui. Sabemos que temos que trabalhar muito mais para alcançarmos o objetivo, porque o futebol dá muitas voltas. Temos adversários valiosos e difíceis que nos vão exigir muita concentração e muito trabalho.

 

RV – A certa altura referiu que os objetivos internos estavam atingidos?

RA – Disse há cerca de duas semanas, que os objetivos traçados dentro do grupo de trabalho, para a primeira volta estavam atingidos, ainda antes do jogo com o Fafe. Isso tinha a ver com o número de pontos, de golos marcados e sofridos, tinha a ver com uma série de sub objetivos dentro do objetivo principal, que tinha a ver com o número de pontos, que o grupo tinha decidido estabelecer.

 

RV– O FC Vizela mostrou cedo o que queria para esta época?

RA – Sim, a proposta que trouxemos para o FC Vizela, foi bem aceite, pelos jogadores e por todos os setores do clube. É uma proposta de jogo positiva, que promove o bom jogo e os jogadores. As coisas foram assimiladas de uma forma bastante positiva, melhor até do que aquilo que estávamos à espera. Felizmente as coisas foram correndo bem, fomos conquistando bons resultados, aliados a boas exibições, o que deu para ganhar uma margem na classificação e chegar à frente no final da primeira volta.

 

RV – Foi avisando que a sua equipa não ia ganhar sempre…

RA – Disse isso há messes, pois já tenho tempo suficiente no futebol, para lidar com essas situações. É tudo muito bonito quando ganhámos, mas sabemos que não vamos ganhar sempre. As boas exibições e as goleadas impostas aos adversários, não valem mais do que três pontos. O campeonato é duro, é longo e temos várias equipas com o mesmo objetivo, mas só duas é que o vão conseguir.

 

RV – O afastamento precoce na Taça de Portugal, foi uma situação negativa até agora?

RA – Sim, gostaríamos de ter ido mais longe na Taça de Portugal. É uma competição que dá prestigio e que os clubes e os jogadores gostam de jogar e tentar ir o mais longe possível. É verdade que ficámos logo pelo caminho, na nossa primeira participação, num jogo fora, em que na minha opinião até fomos superiores, mas fomos eliminados na altura com sabor amargo.

 

RV – O FC Vizela teve um abaixamento de rendimento após a paragem de Natal e Ano Novo. A paragem mexeu de alguma forma com os seus jogadores?

RA – Se me perguntar se fiquei contente com a paragem, digo-lhe que não, pois veio numa altura em que a equipa estava com score, com andamento, com dinâmica, com intensidade e a paragem, que foi muito longa mexeu com as dinâmicas. Não veio na melhor altura, mas não somos nós que decidimos, ainda bem que felizmente não há mais festas até ao final do campeonato.

 

RV – O fecho da primeira volta trouxe a pior série de resultados, dois empates e uma derrota. São resultados com que não contava, são injustos para o FC Vizela?

RA – No jogo com o Trofense em nossa casa, não tenho nada que dizer à minha equipa. Fomos claramente superiores ao adversário. Todos sabem o porquê do Vizela não ter ganho, fez quatro golos limpos e só dois foram validados, o adversário fez dois. Acabamos por empatar a dois golos, mas fomos claramente superiores. Depois um empate em S. Martinho, num campo muito difícil, diante de uma equipa complicada. Para mim, este é o S. Martinho mais forte dos últimos anos e neste campo todos os candidatos têm sentido grandes dificuldades e ninguém conseguiu vencer.

Foi o primeiro jogo após a paragem, não fizemos um jogo muito conseguido, mas não considero que tenhamos feito um mau jogo. Foi um jogo equilibrado, onde conseguimos um empate a zero. Com o Fafe, sim. A meu ver o jogo menos conseguido. Não estivemos tão bem, como em outros jogos, diante de uma equipa forte, que defrontámos em Vizela. Mas se não tivéssemos falhado a grande penalidade teríamos conseguido o empate. É claro que ficámos tristes e frustrados, pois não estávamos à espera destes resultados e no grupo ninguém ficou contente.

 

“Temos tido azar com as lesões de jogadores fundamentais”

 

RV - No final do jogo com o Fafe afirmou que o FC Vizela estará no Play Off de Promoção. O que o leva a ter tanta certeza?

RA – Confiança no trabalho, que temos feito, Confiança no trabalho e na qualidade dos meus jogadores e em todo o staff, que faz parte do FC Vizela. Sabemos aquilo que valemos e o que fazemos e acreditamos nisso.

 

RVJ – No balanço à primeira volta, há pontos subtraídos pela arbitragem?

RA – Não quero entrar nessas polémicas, vocês bem puxam por mim, mas eu não quero entrar nessas polémicas. Já houve jogos com bastante discussão à volta da arbitragem, mas quem gosta do Vizela e quem acompanha os jogos do Vizela tem oportunidade de apreciar as arbitragens, portanto que analise e que comente, porque eu não posso, nem quero entrar nessas discussões. Quero é trabalhar com os meus jogadores, com aquilo que eu controlo, com o que posso melhorar para sermos ainda mais fortes.

 

RV – Está satisfeito com os seus jogadores, até agora?

RA – Sim, estou bastante contente, com aquilo que encontrei em Vizela, com aquilo que foi possível fazer com o plantel, para esta época. Apenas lamento o azar que nos tem acompanhado, com algumas lesões graves, em atletas que tem sido preponderantes, estou a falar do Zag, durante largo tempo do Tarcísio, do João Pedro e agora do Kuku, com uma lesão grave que o retira do resto da época. Isto é, o mais negativo, no balanço à primeira volta.

 

RV - Haverá entradas ou saídas no mercado de inverno?

RA – Enquanto o mercado estiver aberto, estamos sempre atentos, ao que o mercado nos vai trazendo. Temos também estas situações de lesões, que não estávamos à espera e que nos obriga a estarmos por dentro daquilo que o mercado nos pode proporcionar.

Estou contente com aquilo, que tenho, por outro lado é normal que algum jogador quando sobressai, que haja procura dos jogadores do Vizela. Pelo que sei, os que cá estão, são comprometidos e focados com este projeto. São bem tratados, sentem-se bem e não é fácil, por tudo isto deixarem o clube.

 

RV – Tem vindo a crescer o apoio e a ligação da equipa com os adeptos?

RA – O futebol e a história dos clubes, são feitos por esta paixão dos adeptos. A grandeza do clube é medida pela paixão dos adeptos e aqui não é diferente.

Nós trabalhamos muito para o sucesso do Vizela e contamos muito com os adeptos, que são e serão muito importantes nesta caminhada. Nesta fase em que não tivemos os resultados esperados, eles têm sido fantásticos e aguardamos que assim possam continuar. Obrigado por tudo, são fundamentais para o sucesso de todos.

 

RV – A começar a segunda volta, o Vizela joga com o Gil Vicente, não pontua e pode ser ultrapassado. Isso poderá mexer com a motivação dos jogadores?

RA – Sabemos que o campeonato começou dessa forma. Na primeira jornada jogámos com o Gil Vicente e saímos com zero pontos.

Felizmente ao virar da primeira volta está no primeiro lugar. Podemos ser apanhados na jornada do fim de semana, mas o campeonato é longo, há muitos jogos e nós só teremos que fazer o nosso trabalho e sermos iguais a nós próprios e mais fortes que todos os adversários.

No final um dos dois lugares no Play Off de Promoção será do FC Vizela.