Futuro do Rio Vizela dominou sessão solene municipal

Aproveitando a presença do Ministro do Ambiente, o tema foi abordado pelos vários intervenientes da sessão solene.

João Pedro Matos Fernandes não fugiu ao assunto e afirmou ser tempo de se deixar de jogar ao jogo do “gato e do rato”. Garantiu que, enquanto Ministro do Ambiente, não se sente “culpado” pela poluição do Rio Vizela e que as “armas” devem ser apontadas a quem efetivamente polui este curso natural.

Falou ainda do Poder Local, nomeadamente das Câmaras Municipais e das Juntas de Freguesias, como tendo um papel preponderante na definição das políticas do Ministério do Ambiente, uma vez que todos os territórios são diferentes. No final desta manhã, no auditório Luís Guimarães na sessão solene comemorativa da sessão solene do "19 de março", João Pedro Matos Fernandes destacou também a importância de uma economia orientada para serviços em detrimento da aquisição de bens e da valorização dos territórios.

Dinis Costa anunciou apresentação de Plano para a Despoluição do Rio Vizela

Entretanto, o Ministro do Ambiente comprometeu-se a regressar a Vizela entre os meses de maio e junho para participar na apresentação do Plano para a Despoluição do Rio Vizela. “O problema não me parece tão dificil de resolver como isso, porque em causa não está um investimento de milhões mas antes de responsabilizar quem está a fazer mal”, salientou o governante.

Deste Plano para a Despoluição do Rio Vizela falou também o presidente da Câmara Municipal de Vizela. O autarca Dinis Costa recordou que reuniu, recentemente, com várias entidades na sede da Câmara Municipal e que foram dados vários contributos para a definição deste plano. “Este será divulgado publicamente e irá identificar as medidas efetivas para combater a poluição no Rio Vizela”, garantiu o presidente do Executivo socialista.

Presidente da Assembleia pediu ação urgente por parte do Ministro do Ambiente

Também sobre o Rio Vizela se debruçou Fernando Carvalho: “Hoje temos um rio sombrio, triste, apenas contemplado por todos os que se preocupam com a sua poluição, por todos os que lutam por aquilo que foi uma atração natural de Vizela, por todos aqueles que querem devolver o rio aos Vizelenses”. Mas o Presidente da Assembleia Municipal acabou por ser dirigir diretamente a João Pedro Matos Fernandes: “Sr. Ministro esperamos de si uma atitude energética, eficiente e urgente na despoluição do Rio Vizela e das suas margens. Os vizelenses capazes de levantar uma linha de caminho de ferro, são um povo pacífico, solidário, que sabe esperar e acreditar. Mas urge resolver a poluição do nosso rio”.

Fátima Andrade espera que recomendações passem a medidas concretas do Governo

Também do lado da Coligação PSD-CDS/PP, a líder da bancada municipal, Fátima Andrade, solicitou ao Ministro do Ambiente que “tome em mãos” o dossier Rio Vizela, dizendo contar com a sua intervenção junto do Governo, para que as recomendações que resultaram da discussão da Petição na Assembleia da República se venham a traduzir na adoção de medidas concretas por parte do Executivo de António Costa, nem que as mesmas tenham de obrigar a alterações legislativas que permitam punir mais severamente os infratores.

Agostinha Freitas interpelou Ministro através da carta da Coração Azul

O tema “Rio Vizela” esteve, de facto, no centro de todas as atenções. No discurso da líder da bancada do PS, Agostinha Freitas, foi reproduzido o conteúdo da carta que a associação juvenil Coração Azul endereçou, na última quarta-feira, ao Ministro do Ambiente. Recorde-se que a associação quis saber se o “Estado vai suspender a atividade de empresas que poluem rios, se vai aplicar medidas cautelares e reforçar a vigilância”, reclamando “um rio limpo, mas não pistas de pesca desportiva, a recuperação da fauna e da flora, a criação de um destacamento do SEPNA em Vizela e o reforço na sensibilização e na educação das populações jovens”. Aproveitando ainda a presença do Ministro do Ambiente, Agostinha Freitas apelou à criação de um canil municipal em Vizela.

António Monteiro lembrou ações dos deputados eleitos pela CDU

Do lado da CDU, António Monteiro lembrou as ações que os deputados eleitos para a Assembleia da República pelo Círculo Eleitoral de Braga pela coligação que representa, foram desenvolvendo ao longo dos últimos mandatos e em defesa da despoluição do Rio Vizela, um curso natural que esta manhã classificou como constituindo uma “mais valia paisagística, económica e social para o nosso concelho”.