VIZELA MELHOR QUE PORTO E BENFICA

Manuel Marques

2020-02-27

Partilhe:


Desafio os leitores que dispõe de box da tv cabo e assinatura do canal dos ricos (Sport TV1) a puxarem a culatra atrás e a reverem três partidas das últimas jornadas da Liga e do Campeonato de Portugal, mais concretamente o Porto-Portimonense (1-0), o Gil Vicente-Benfica (0-1) e o Vizela-Vitoria B transmitido pelo Canal 11 da abastada Federação Portuguesa de Futebol e que terminou com a vitória dos vizelenses por 4-1.

Qual destas partidas apresentou melhor futebol? Qual a equipa que marcou os golos mais bonitos e artísticos? Qual dos jogos alcançou a qualidade suprema exigida a um espetáculo com bilheteira?

As imagens guardadas irão dizer que, seguramente, a partida realizada em Vizela bateu as outras duas aos pontos e por preço de bilhetes muito inferior.

O golo do portista Alex Teles foi de facto fantástico, mas o golo de Landinho e de Kiko Bondoso e a jogada de Diogo Ribeiro finalizada por Kiko no 4-1, não lhe ficaram atrás.
É indesmentível que nem sempre as duas Ligas profissionais têm os melhores jogadores e os melhores jogos.

Sérgio Conceição e Bruno Lage disseram no final das partidas que o importante era ganhar, naturalmente, que esse é um dos objetivos do jogo, mas sem espetacularidade, sem emoção de dentro para fora, os espetadores ficam com a mesma sensação de um degustante que acaba de comer um bom e bem temperado cabrito assado e bebe água por cima.

Nos nossos tempos de crianças, nas nossas partidas de futebol em terrenos baldios ou na Lameira, onde pequenas pedras serviam de balizas e não havia linhas de marcação nem árbitros, os dois melhores jogadores nunca alinhavam na mesma equipa e os mais fraquinhos eram divididos a retalho pelos dois antagonistas. Se assim não fosse o jogo ficava sem emoção, sem equilíbrio, sem disputa séria, em suma seria demasiado monótono e sem espetacularidade o que desgostaria as meninas que ficavam de fora a assistir e a bater palminhas aos vaidosos.

Ver atletas a perder tempo, a simular faltas, a comer sono dentro do campo e a denotar falta de conhecimento das regras básicas do jogo é penoso demais para quem exige que o futebol seja um espetáculo grande (e de tv) como foi esse último jogo do Vizela com o Vitória B.

Se o objetivo for apenas os três pontos (como se viu nas partidas do Porto e Benfica), ninguém se admire que os estádios fiquem cada vez mais cheios... de lugares vazios.