Vizela com classificação AAA

José João Ferreira

2019-01-24

Partilhe:


Chegou o tempo do “Ambiente” como fator de desenvolvimento sustentável e em plena linha de equilíbrio com os recursos naturais. Para trás fica um desenvolvimento desmedido e a troco de qualquer aplauso mais fútil. Olhar para o futuro e definir estratégias locais tem levado já vários municípios a colocar no terreno ações de intervenção onde a necessidade de rever comportamentos mais desviantes das linhas orientadoras da União Europeia são fundamentais.
Guimarães trabalha já a “Estrutura de Missão 2030”, Lousada definiu a Educação como tema de 2019 e não deixa cair os projetos criados nos anos anteriores de incentivo ambiental. Muito pelo contrário, tem fomentado e criado diversas sinergias com organizações ambientalistas e académicas. Santo Tirso, além dos seus parques que atraem bastantes forasteiros, tem apostado também na comunicação externa para promover os seus feitos na área ambiental. Ora com pontos de carregamento para veículos elétricos, ora com melhorias no sistema de abastecimento de águas, ecopontos e até uma clara aposta no trabalho do Canil/gatil municipal.

Vizela e os vizelenses também sentem bem a ligação ao “Ambiente” e a força que este tem quando trabalhado em força e em rede. Os novos sistemas de limpeza da cidade, os novos ecopontos e a construção do canil este ano são já sinais de mudança que se aliam a uma necessidade de promoção das águas termais. Atingir o triplo A, Ambiente, Água e Animais coloca qualquer município dentro das orientações europeias e mundiais. E o planeta precisa deste alinhamento.

Al Gore, por exemplo, através do projeto sobre as alterações climatéricas, a WWF através dos múltiplos programas de proteção animal ou até mesmo o Conselho Mundial da Água através de uma plataforma multi-stakeholder têm aumentado a sua rede de influência e levado as pessoas a refletir sobre os seus comportamentos. É tempo de mudança e a mudança está a acontecer.

Importa por isso o “agir local, pensar global”. As estratégias locais criadas de forma coordenada, global, integrada e participada criam comunidades que atingem objetivos em conjunto, promovendo dessa forma uma melhoria geral da qualidade de vida e criando um desenvolvimento inclusivo. E este é um dos caminhos seguidos pelos principais Municípios nacionais.
Recentemente em Vizela, a Coração Azul apresentou o projeto “Vizela Vale Encantado – Projeto de Valorização da Fauna Vizelense” que partilha todas estas ideias anteriormente abordadas. Coordenada, global, integrada e participada. A própria Vereadora Dra. Agostinha Freitas, da CM Vizela, enalteceu o projeto e como transcrito no RVJornal (parceiro) “é um projeto transversal a várias áreas e enriquecedor”. Um projeto que é para pensar em grande e para colocar um dos tesouros do concelho a brilhar para toda a gente. 
Quando vemos o ataque que as abelhas têm sentido, o colapso dos insetos, as espécies que estão ameaçadas e ainda a flora que acompanha este declínio, verificamos que são projetos como este, aliados com políticas ambientais fortes, que se poderá restabelecer níveis de anos passados. Vermos um rio Vizela novamente apetecível (embora a poluição) e deixarmos de lado a temática ambiental, não protegendo as espécies ou não deixando os tempos necessários para a reprodução destas já não são assuntos que merecem debate. São necessidades ambientais. E se o rio merece esta proteção, também a floresta o merece e a própria cidade. São várias as ameaças ao equilíbrio ambiental e animal, e todas elas partem do Homem, de nós. Basta pensar um pouco. 
Mas através do sorriso e do fomento de boas práticas, teremos uma Vizela com AAA.