SINAIS DOS TEMPOS

José Borges

2018-12-27

Partilhe:


Tocou-me em sorte, intervir neste espaço, na última tiragem do ano deste jovem periódico. Significa tal, que estamos a consumir as últimas páginas dum calendário, que marca o tempo e nos faz refletir sobre os sinais dos tempos. Tempos, que são um acumular de momentos, todos eles diferentes e diversamente sentidos e potenciados, por todos aqueles, que dotados de consciência e capacidade de pensar, nem sempre tiram o melhor proveito dos momentos, que o dom da vida lhes proporciona. Esperança, concórdia e paz, dão cor e recheio às mensagens, que nesta época, são universalmente evocadas e proferidas. Só que, nos momentos seguintes, e face à realidade das coisas, facilmente se comprova, que afinal, muitas daquelas mensagens, estavam contaminadas pelo poder da hipocrisia. As guerras, apenas beneficiaram duma trégua e os problemas que “empurram” seres humanos para a margem das sociedades modernas, deixaram de ter lugar nos espaços da nossa comunicação social.
Contudo, e felizmente, o espírito identitário desta quadra, desde que seja sincero e objetivo, deve ser mantido e replicado todos os dias. Todos nós, por motivos diversos, tivemos a oportunidade de participar num jantar natalício, que para gáudio dos industriais da restauração, proliferaram no nosso espaço comunitário. Tive a honra e o privilégio, de participar no jantar de natal das camadas jovens do FC de Vizela. Momento marcado pelo tal espírito, bem visível nos rostos de quase três centenas de jovens presentes. A sua felicidade e contentamento, serão certamente a melhor forma de compensar o esforço, que muitos todos os dias fazem, para manter viva esta realidade e contribuir para o acompanhamento na formação dum escalão etário, muito importante da nossa comunidade. Como dizia João Paulo II, “existem muitos jovens órfãos de pais vivos”. Neste, e noutros clubes ou associações, dão-se enormes contributos para que se minimize o efeito daquela citação. Também os nossos responsáveis políticos, devem estar conscientes destas realidades, pois são eles, que numa primeira instância, devem estar na linha da frente no combate às fragilidades da nossa sociedade. Fui testemunha presencial da bondade da proposta, e do desafio que o sr. Presidente do Município, Dr. Victor Hugo Salgado, lançou à direção do FC Vizela. “Avancem com a obra da construção dos balneários para estes jovens, que a Câmara está cá para cumprir a sua obrigação”. “E mais no dia 01 de janeiro, data em que o FC Vizela cumpre os seus oitenta anos de vida, vamos inaugurar monumento de homenagem ao Clube, e a todos aqueles que construíram a sua história”.  Estas, são iniciativas, que evidenciam capacidade em assumir responsabilidades e promover justiça, perante as instituições, que de forma desinteressada, dão contributos para a construção duma sociedade mais justa e equilibrada. Bem hajam. Para todos um ano 2019 pleno de realizações. Cumpram-se objetivos e ambições, sejam elas de caráter individual ou coletivo.