Remate Certeiro 24.05.2018

Hélder Freitas

2018-05-24

Partilhe:


“Há comportamentos que são incendiários e têm de ser eliminados”, as palavras foram proferidas por António Costa, primeiro-Ministro (PM) português à margem da Final da Taça de Portugal que teve um vencedor inédito. 
O líder máximo do Governo falava (e bem, pelo menos nesta circunstância) do excesso de espaço e de tempo que é atribuído a dirigentes e a comentadores para falarem do mesmo tema: Futebol. Nem sequer é de deporto que falam, é apenas e só de futebol. Muitos deles pouco ou nada percebem, mas alguém lhes dá a possibilidade de poderem falar e então não se calam com baboseiras. 
É por demais verdade aquilo a que o PM aludiu. Deve repensar-se quanto antes o excesso de tempo que é dado aos comentadores para falarem de futebol e para se atacarem uns aos outros como tem sido, é evidente que me estou a referir aos elementos de alguma forma associados aos ditos grandes do futebol português, esses sim, grandes incendiários dos comportamentos exacerbados que infelizmente nos vão chegando ao conhecimento. 
Mas nesta equação não entram só os comentadores televisivos, entram naturalmente os dirigentes: o presidente do Sporting, o director de informação dos dragões e director de conteúdos da televisão das águias, são, assim à partida, alguns que entram de caras, na qualidade de quem tem muito poder (do que gravita à volta do futebol), que o poderiam usar para apaziguar ânimos, para dar serenidade… Mas, de uma forma ou de outra, querendo o melhor para o seu clube (legítimo, entenda-se), parecem sempre mais dispostos a “deitar abaixo” os competidores directos. Mais até do que promoverem os seus próprios clubes, o seu desígnio passa por denegrir a imagem dos outros. Para vencermos, temos de ser melhores (como o Aves foi na Final da Taça – melhor) do que os adversários, mas com as nossas armas e não com discursos inflamados de ódio! Para mim, é a todos os títulos inimaginável, inconcebível, absolutamente ridículo, que se festeje tanto uma derrota do adversário como uma vitória do nosso clube, mas infelizmente temos “carradas” de gente assim. 
Será para continuar? Vamos esperar que não, que se tenham mais cautelas e haja mais ponderação! Já agora, parabéns ao Aves, que de forma muito meritória venceu uma equipa cheia de medos e receios em dar passos seguros. Uma equipa que não tinha a cabeça naquele jogo (e como é que poderia) e que já o tinha perdido, o jogo, muito antes dele se iniciar. 
O desporto rei, desporto de massas, que gere milhões para a economia, é bonito quando não o maltratam, mas que tem cada vez mais gente a tratá-lo mal, lá isso não tenham a menor dúvida.