Remate Certeiro 18.10.2018

Hélder Freitas

2018-10-18

Partilhe:


Eles aí estão! Não, não são os Boémios em mais um arraial numa qualquer freguesia das redondezas (era este o slogan associado à presença da popular banda nos anos 90), mas sim os tão famigerados campos sintéticos do nosso contentamento para as equipas de Vizela que jogavam em pelados, quer nas provas da AF Braga (o S. Paio – era mesmo a única equipa do campeonato a não ter um relvado sintético) quer nas dirigidas pela AF Popular de Guimarães (Montesinhos, Tagilde e Infias). Cedo se percebeu que politicamente os investimentos na área do desporto iam mudar. Reflexo directo disso mesmo é a colocação destes mesmos campos sintéticos e o desanuviamento processual noutras questões como é o caso dos campos do Infias e o do Montesinhos. 
De todos estes, o de Montesinhos é mesmo o único que não vai no imediato sofrer intervenção, até porque há outras questões a resolver como os associados ao terreno e ao facto do próprio campo não ter por agora as medidas regulamentares, por exemplo para competir no Pró-Nacional da AF Braga. Mas a seu tempo também irão dispor de um terreno sintético, aqueles que são hoje, campeões da AF Popular de Guimarães. 
O campo da Covinha vai ter inauguração para dentro em breve, e muito lá mais para a frente será a vez do Campo Outeiro de Fogo e o novo Complexo Desportivo do Infias, construído de raiz desde logo para obedecer a mais critérios. Aqueles que estiverem tantos anos a fio a jogar num terreno sem as condições mínimas exigíveis, e mais tarde a jogar com a casa às costas e sempre fora da freguesia, são aqueles que podem vir a ter as melhores condições gerais no futuro. Para que todas estas colectividades pudessem granjear este tipo de condições de trabalho, que tem muito a ver com a aposta que a CM Vizela decidiu fazer, em bom abono da verdade se deve dizer também, que tem ligação directa com a persistência e perseverança dos seus dirigentes e até dos sócios e simpatizantes anónimos. 
Em S. Paio foi a direcção que meteu as mãos à obra e começou os trabalhos, em Tagilde foi um acontecimento semelhante e então em Infias, o que está a acontecer, é absolutamente notável. Sem desprimor para os restantes, que estão a trabalhar no sentido de servir a sua colectividade, em Infias estão a erguer-se balneários e infra-estruturas associadas sem que existe uma empresa a dar nome ao trabalho. Quem lhe dá nome e o faz com gosto são Infienses que, movidos por um desejo que terá 30 anos (o de ter um campo próprio condigno) e com conhecimento de causa de como fazer obra, dão todo o seu contributo para que o Complexo Desportivo em Infias seja uma realidade o quanto antes. A todos as colectividades que por esta altura lutam e trabalham para que os atletas que praticam desporto com o nome do seu clube possam ter melhores condições fica o reconhecimento de todos os vizelenses. 
Ao CCR Infias (pela relação próxima que continuo a ter por ser natural da terra e por ter tido enorme orgulho por ter servido a colectividade), mas sobretudo àqueles que de uma forma ou de outra juntam esforços para levantar um sonho de 30 anos, fica, de forma particular, mas com toda a certeza de todos os Infienses, o mais sincero e reconhecido agradecimento por tudo aquilo que estão a fazer. A todos o NOSSO muito obrigado.