Remate Certeiro 10/08/17

José Borges

2017-08-10

Partilhe:



Recuando no tempo e revivendo memórias da minha condição de autarca de uma das freguesias da então Vila de Vizela, trago a esta coluna a memória da visita que Francisco Sousa Tavares, escritor, jornalista e político fez a Vizela, a convite do MRCV, no decurso da sua superior luta. 

Tive o privilégio, de participar no evento e registo na memória palavras sábias, que lucidamente tinham como objetivo, motivar e galvanizar os vizelenses para a continuidade da sua luta. “As guerras são quase todas fundamentadas pela conquista do chão, que para suas gentes é sagrado e de sua inteira pertença”. 

Do alto de São Bento disse: “Este vale e esta terra aliada à alma do seu Povo, tem tudo para ser feliz”. Perante tais citações, coloco-me integralmente e sem qualquer qual tipo de equívoco, do lado daqueles que ainda hoje fazem jus às mesmas.

 Vizela conseguiu a sua autonomia e retirou da mesma, ferramentas que lhe permitiram elevar-se a patamares de excelência ao nível do seu desenvolvimento social económico e cultural. Pode alimentar-se o debate se foi tudo bem feito. Se as opções foram sempre as mais positivas. Se Vizela está já dotada de meios estruturantes que lhe permita um desenvolvimento mais consistente em todos os seus quadrantes. Todas estas são perguntas, que democrática e superiormente podem e devem ser colocadas. O que ninguém terá o direito é de afirmar que a luta não valeu a pena, como infelizmente já ouvi ser proferida.

Vejamos, em particular uma das componentes que refuto de enorme importância para o desenvolvimento de uma comunidade. 

Ao nível cultural e desportivo, uma das áreas, em que no meu entender, o poder politico teve opções de apoio ao associativismo corretas, permitindo-lhes desenvolver programas e atividades com enorme reflexo no quotidiano da nossa comunidade. Sedes próprias e políticas de apoio de proximidade foram notórias.  

Falta agora dar o passo em frente e dotar o Município de estruturas desportivas e culturais próprias (piscina e eventual requalificação do pavilhão).

Aguardam-se programas eleitorais das diversas forças que se disponibilizam para defender a causa pública que é Vizela. Todos nós aguardamos que sejam programas coerentes, exequíveis e que vão ao encontro das necessidades de Vizela e das suas gentes.

E assim, vamos todos continuar a afirmar que a luta valeu a pena!