Remate Certeiro 09.08.2018

Hélder Freitas

2018-08-09

Partilhe:


Aí estão o início dos campeonatos que acompanhamos aqui pelo RV Jornal com inicial preponderância para FC Vizela e Moreirense. 

1 - O Vizela parte com ambições reforçadas pelo plantel que conseguiu construir e embarca em mais uma nova aventura com uma nova equipa técnica que já conhece o campeonato em que está inserido (não necessariamente a série do Vizela)  mas o campeonato não é assim tão heterogéneo, aliás é bem mais homogéneo do que pensaríamos o ano passado quando entrámos na fase das decisões. Não adianta dizer-se que o formato do campeonato é ingrato, porque uma equipa que anda sempre à frente pode num jogo deitar tudo a perder e ver o sonho ir pelo ralo abaixo, mas uma verdade inabalável, é que as regras já estão estabelecidas antes do início do campeonato, e são iguais para todos os competidores. Todos sabem à partida com o que contar e há que trabalhar para contrariar e contornar as adversidades e fazer das fraquezas forças para na hora das decisões, serem ainda mais fortes, agigantarem-se e concretizarem o sonho da subida. É um ano muito importante para as aspirações do FC Vizela e para toda a estrutura que lhe está associada depois do investimento que foi feito. São precisos resultados e as condições estão criadas nesse sentido mas deve perceber-se acima de tudo que o campeonato só termina no ultimo apito e até lá o caminho, fazendo-se caminhando, é duro, árduo, de sacrifício e muito longo. Ninguém é campeão antes do campeonato começar e ninguém está derrotado à mesma condição. É importante aprender com os erros, e pelo sofrimento que se viu no final da época passada, acredito que a meta já está bem estabelecida e já se definiu muito bem como chegar lá. É correr mais do que os outros, chegar primeiro do que os outros...é querer mais do que os outros!

2 - O Moreirense teve uma pré- época absolutamente atípica. A todos os títulos e mais alguns, estranha. Jogos de preparação cancelados (facto quase inédito) porque o plantel era curto e não apresentava soluções válidas, com o senão de, menos jogos, significar menos entrosamento e menos rotinas criadas... e amigáveis que redundaram na sua maioria em resultados pouco positivos. A conta gotas os reforços lá começaram a chegar quando o treinador já mostrava sinais de muita preocupação. Resultado direto deste planeamento tardio, saída precoce da Taça da Liga aos pés de uma equipa de um escalão inferior, que foi, na globalidade do jogo, superior ao Moreirense, acima de tudo na leitura e análise daquilo que poderia retirar do encontro assim aproveitasse os deslizes alheios que se vieram a verificar. Uma coisa é certa, de fora da Taça da Liga o Moreirense terá em exclusivo de se preocupar com o Campeonato e com a tentativa de ir o mais longe possível na Taça de Portugal. Por estes dias o plantel já está muito melhor. Já há mais soluções e a composição do plantel indica que se pode de facto fazer uma época bem mais tranquila do que as duas últimas. Para aferir a evolução da equipa e a capacidade do treinador em tão pouco tempo incutir um fio de jogo (algo que não se viu na Póvoa) o Moreirense tem um duro teste logo no jogo que marca o início do campeonato. Ainda assim e porque vai medir forças diante de um adversário que ainda está fragilizado, acredito que o Moreirense pode iniciar o campeonato com uma gracinha.