Referendo Feriado Municipal

Fátima Anjos

2018-07-12

Partilhe:


O presidente da Câmara Municipal de Vizela anunciou na última terça-feira a intenção da autarquia realizar um referendo para auscultar a população sobre a data em que deve ser assinalado o Feriado Municipal – 19 de março ou 11 de julho.
Independentemente de quem tenha sido o pai ou mãe da ideia, dizer que é pertinente a sua concretização, caso contrário, estaremos, com certeza, daqui a 20 anos, a discutir o mesmo assunto. Claro está que a realização de um referendo representará custos para o Município, certamente minimizados pelo facto deste se vir a realizar em simultâneo com outro alto eleitoral – ao que tudo indica as Eleições Europeias – e cuja estrutura organizacional de meios e recursos será aproveitada. Mas a verdade é que tudo na vida representa custos – morais e materiais - e, neste caso, os mesmos conduzirão a uma resposta que este concelho merece, porque representará a vontade inequívoca dos vizelenses relativamente a esta matéria.
Pessoalmente e já tive a oportunidade de o manifestar publicamente mais do que uma vez, continuo a considerar que Vizela deve comemorar o seu Feriado Municipal a 19 de março. Não apenas porque foi o dia em que Vizela foi elevada a concelho mas, principalmente, porque representa a conquista de um povo que lutou, de forma incansável e até histórica, pela emancipação administrativa da sua terra. Ao colocarmos o dia 19 de março para um plano que não seja o do Feriado Municipal, poderemos, e esta é a minha opinião, vir a contribuir para que num futuro mais longínquo esta conquista se perca na memória coletiva do nosso povo.
Isto sem desmerecer o nosso S. Bentinho, que detém na região milhares de devotos e que continuará a ter independentemente de Vizela vir a comemorar ou não o seu Feriado Municipal a 11 de julho. E muitos poucos serão aqueles que, por estes dias, sentem na ausência de um Feriado Municipal neste dia um impeditivo para que possam visitar aquele santuário. 
Mas a decisão ficará nas mãos de todos os vizelenses e esta, independentemente desta ou outras opiniões que possam surgir, deverá ser respeitada e, por isso, implementada. E é isso que, certamente, vai acontecer. 
Até lá e por estes dias vivem-se tempos de peregrinação e também de convívio no monte do nosso padroeiro. Festividades que ficarão marcadas pela homenagem que será dirigida ao anterior presidente Alfredo Ribeiro, cujo nome a Confraria pretende eternizar como o principal obreiro da revolução levada a cabo naquele local sagrado e à qual ninguém pode ficar indiferente. Ao mesmo tempo, e isso é possível constatar na entrevista concedida ao RVJornal pelo atual presidente José Armando Branco, a Confraria fez o seu luto, mas também já voltou a arregaçar as mangas, tendo já em mãos alguns projetos que visam melhorar as infraestruturas de apoio aos peregrinos, bem como realizar outras ações que permitam levar o nome do Santuário de S. Bento das Peras ainda mais longe, carregando consigo o nome de Vizela e a possibilidade de potenciar o turismo religioso no nosso concelho.

Bem haja a todos que trabalham em prol da bem-estar comum.