Editorial 13 de Abril de 2017

Fátima Anjos

2017-04-13

Partilhe:


Este será um fim de semana alargado para a maioria dos portugueses. Uns porque vão celebrar a Páscoa e outros que, mesmo não vivendo a época pascal, vão à boleia do feriado religioso para outras paragens, de forma a ganharem um novo fôlego até que cheguem as férias de verão. 
Hoje está na moda ouvirmos dizer que “não ligamos a isto ou àquilo” e com a Páscoa não é exceção. Eu penso diferente, até porque me aborrece a ideia de que todos os dias são iguais. Olho para estas datas como uma oportunidade de estar em família e de contribuir para que se mantenham algumas das tradições que fizeram da nossa região aquilo que ela é hoje.  Não meto nesta conversa a religião, porque entendo que a nossa relação com a mesma é algo muito nosso e que não temos de partilhar com o resto do mundo.

Mas, entretanto, o mundo não pára… E isso ficou bem patente no Fórum Empresas que a Rádio Vizela promoveu no último sábado, dia 08 de abril, no Chalé do Park. Durante duas horas percebemos que o Vale do Ave continua com uma força de trabalho de bastante significado e que tal se deve à capacidade dos seus empresários.
Conseguimos perceber, através dos testemunhos deixados pelos sete empresários que marcaram presença, que não há forma de fazer singrar uma empresa sem muito trabalho e dedicação. No entanto, sabemos também que há factores que são impossíveis de prever e que estão relacionados com as diferentes conjunturas. Mas também será aí que se verá a força dos empresários e a dos portugueses, com uma capacidade de adaptação fora do comum, quando se lhe colocam novos desafios.
Estar presente, saber motivar a equipa de trabalho, cultivar a relação com os clientes e conseguir transportar para o bem comercializado caraterísticas inovadoras que possam representar mais valias para os diferentes mercados serão alguns dos fatores que pesam na balança do sucesso.
Num mundo onde não interessa ser mais um, mas antes ser aquele, foi importante perceber que os fundos estatais e comunitários têm hoje um filtro mais apurado, valorizando os projetos mais arrojados e que venham fazer melhor ou pelo menos, diferente, e que o acesso a financiamento bancário está hoje mais agilizado e menos penalizador para o investidor.
Duas horas de debate para que pudéssemos ter uma amostra da força que a atividade empresarial continua a ter no Vale do Ave, com a sua indústria a colocar a região no mundo, através da exportação. 
O que agora podemos esperar é que em tempo de clima mais favorável, estas mesmas indústrias possam continuar a crescer e outras possam aparecer, criando-se mais postos de trabalho e apostando-se na qualificação da mão-de-obra e na sua justa compensação remuneratória. Isto porque a motivação só acontece quando percebemos que o nosso trabalho e o nosso esforço podem contribuir para melhorar a qualidade da nossa vida. E as empresas são, como disse João Ilídio Costa, os seus empresários mas também os seus trabalhadores. É justo que todos possam caminhar no mesmo caminho, o do crescimento.

Uma Páscoa Feliz…