Editorial 09 de maio de 2019

Fátima Anjos

2019-05-09

Partilhe:


A Real Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vizela está de parabéns. Completou esta quarta-feira 142 anos de existência e vai comemorá-los este fim de semana. Parabéns! Muitos Parabéns!
Parabéns por seres motivo de orgulho para toda uma cidade! Parabéns por cuidares de nós e dos nossos e, sobretudo, por estares sempre presente quando mais precisamos!

Parabéns a todos, sem exceção, que nestes 142 anos contribuíram não só para a tua subsistência mas também para o teu engrandecimento, fazendo de ti, Real Associação, uma das mais prestigiadas do país. Capaz de dar resposta às necessidades que decorrem da evolução dos tempos, capaz de substituir o próprio Estado nas suas funções de prestação de socorro e emergência. 

E se a Real Associação é hoje a instituição à qual todos reconhecemos qualidades como altruísmo, nobreza mas também dinâmica e empreendedorismo é porque esta também pôde contar sempre com a sua comunidade ao seu lado, nomeadamente, os Homens e as Mulheres, com ou sem farda, que encontraram naquele quartel uma segunda casa, para concretizarem uma das atividades cívicas mais notáveis - o voluntariado. 

A verdade é que aquela casa tem feito nos últimos anos um grande trabalho ao nível do rejuvenescimento do seu Corpo Ativo, com a formação de Novas Escolas de Bombeiros, garantindo o futuro da corporação.
Um Corpo de Bombeiros que é preciso manter motivado e daí que faça todo o sentido que a instituição, tal como o tem feito, crie as condições necessárias para a Promoção dos soldados da paz e também para que os mesmos vejam o seu esforço recompensado através da atribuição das devidas Condecorações.
É uma questão de Justiça. É uma questão de Gratidão, sendo indiscutível o valor do ato de reconhecermos quem nos faz bem!

Ao mesmo tempo será dever do Ministério da Administração Interna reforçar os direitos dos bombeiros deste país, aos quais deve ser conferido um estatuto especial, tendo em conta o serviço que prestam à nação. E estes mesmos direitos devem integrar em si um acesso mais facilitado a bens e serviços, de forma a que estes possam ter uma melhor qualidade de vida. Também os Municípios portugueses, e neste caso o de Vizela, têm a oportunidade de premiar os soldados da paz. Eles merecem-no!

Mas esta semana congratular também a direção do FC Vizela. Soube ser resiliente, qualidade que não é para todos, e não desistir de restituir publicamente o bom nome do clube. Dez anos depois da decisão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol, o Tribunal de Penafiel deu razão ao FC Vizela. Esperamos que não sejam precisos agora mais dez anos para que o clube pode ser restituído de todos os prejuízos que a decisão anterior implicou na vida desta nossa instituição.

Até lá, teremos ainda a oportunidade de mostrar o sangue que corre nas veias deste clube e de todos aqueles que vestem a sua camisola, dentro e fora de campo, contribuindo para a sua subida já esta época.