É sempre a somar conquistas

Zélia Fernandes

2017-11-02

Partilhe:

Remate Certeiro 02.11.2017


1-Vizela é um concelho pequeno, mas já provou que é terra de grandes desportistas e em várias modalidades. Os últimos dias foram uma contestação deste facto, com presenças em competições, longe da sua terra mas, mesmo assim, com desempenhos excelentes. 
A Baja de Portalegre é a rainha das provas de todo-o-terreno e por isso, todos os pilotos querem estar presentes. É o caso de Filipe Silva de Santo Adrião, que mais uma vez voltou ao Alentejo, mas agora, para de lá sair com resultados excelentes. As três últimas participações tinham deixado o piloto frustrado, pois, como referiu à Rádio Vizela e ao RVJornal, sabia que tinha capacidades para fazer muito melhor. Com os apoios reunidos, com a sua força de vontade e capacidade, Filipe Silva provou desta vez, do que é capaz. A classificação conquistada faz com que o piloto tenha agora vontade de continuar à procura de apoio, para entrar em novas provas.  
O outro exemplo que quero destacar é a dos atletas da Associação de Artes Marciais KTF, que estiveram no Europeu de Kempo, e que trouxeram medalhas para Portugal. Tudo começou com a obtenção de resultados para a seleção, passando depois para a angariação de metade das verbas necessárias, para a deslocação à Roménia, que todos os atletas tiveram que cumprir. Por tudo isto, as medalhas de bronze alcançadas pelos vizelenses Bárbara Coelho e Nuno Pinto, assim como a prata do seu colega Pedro Martins e do treinador Ivo Cardoso, são ainda mais saborosas.  

São dois vizelenses, com direito aos parabéns, neste espaço, como felizmente acontece amiudadas vezes, neste pequeno concelho. De resto, desde a última vez que escrevi neste espaço, há parabéns em falta, que urge também dar. Vão para os campeões nacionais da AMAS Vizela, na canoagem e ainda para os campeões de BTT DHI do Desportivo Jorge Antunes, como campeões do Minho. Que venham muitos mais…

2- Os últimos anos não têm sido fáceis para o Moreirense, que não tem conseguido grande estabilidade, no que ao comando técnico da sua equipa sénior diz respeito. Na última época, a vida não foi fácil para Vítor Magalhães, que foi “obrigado” a despedir alguns técnicos, para evitar que a equipa descesse de divisão. 
Esta época, Manuel Machado foi a aposta. Um homem da casa, com história no clube, mas que, face aos maus resultados para o campeonato, também foi obrigado a sair. A festejar 79 anos de existência, o Moreirense procura inverter, como já referiu por diversas vezes Vítor Magalhães, o sobe e desce consecutivo de divisões. Ainda assim, o facto de ser um pequeno clube, sobretudo ao nível orçamental, que não permite a aquisição de atletas de destaque, nem argumentar com o plantel de outros clubes, começa a refletir-se nos resultados. Manuel Machado falou repetidamente da falta de “banco”, de opções, sempre que os resultados eram negativos. O desconhecido Sérgio Vieira terá por isso a difícil missão de fazer melhor que o seu antecessor, com as soluções que o clube dispõe, pelo menos até ao mercado de inverno.