Construção de Centro de Recolha de Animais: É agora!

Fátima Anjos

2018-04-19

Partilhe:


Vinte anos de concelho já deveria dar a Vizela o estatuto de um concelho com condições ambientais básicas, entre as quais, a capacidade de recolha e acompanhamento dos animais que são vítimas de abandono. Estamos certos de que esta é uma responsabilidade que deve ser partilhada por todos os cidadãos, defendendo, por isso, a penalização daqueles que intentem contra os seus direitos.
Não se pode alimentar o capricho de ter um animal de estimação para depois o abandonar. Não se pode negligenciar o seu processo reprodutivo se depois não há capacidade para acolher as suas crias. E depois não podemos fechar os olhos ao que se passa ao nosso redor, mesmo que não tenhamos nascidos pré-destinados para gostarmos de os ter nas nossas casas.
Mas também existem bons exemplos. Este sentimento de exercício de cidadania e gosto pelos animais tem estimulado a criação de grupos de voluntários que trabalham com o objetivo de ver melhoradas as condições da vida animal. Em Vizela podemos falar da “Coração Azul”. Mas, erradamente, alguns terão pensado que o problema vivido em Vizela a este nível estaria assim resolvido, aliviando as suas responsabilidades para esta associação juvenil, cujas capacidades, por muita que seja a sua boa vontade, são limitadas.
Daí que seja premente que a situação seja assumida como uma prioridade por quem detém a responsabilidade máxima nesta matéria, neste caso, as Câmaras Municipais. É sabido que as candidaturas de municípios ao Programa de Incentivos Financeiros para a construção ou modernização dos Centros de Recolha Oficial de Animais de Companhia estão abertas até ao próximo dia 30 de abril. Uma candidatura que proporcionará ainda o melhoramento dos serviços municipais de veterinária. E será importante dizer também que no Despacho emitido pelos Secretários de Estado do Orçamento das Autarquias Locais e da Agricultura e Alimentação se pode ler que está estabelecida a proibição do abate de animais errantes como forma de controlo da população, privilegiando a esterilização. Mais do que importante, até porque sempre me horrorizou a ideia de que um canil seria sinónimo de “local destinado a abate de animais”. 
Defendo, por isso, que a Câmara Municipal deve agarrar esta oportunidade “com unhas e dentes”, tal como já o veio referir na reunião camarária desta terça-feira. Isto porque o apoio financeiro poderá ser na ordem dos 60%, com um limite máximo de 50 mil euros para os municípios, que apresentem uma candidatura, tendo em vista a criação deste Centro de Recolha de Animais e cuja avaliação deverá beneficiar os concelhos que não dispõem desta infra-estrutura. Será de facto uma boa oportunidade para Vizela, que não a poderá deixar fugir.
Também não se deverá deixar fugir a “Coração Azul”, cujo ação poderá apoiar a autarquia, com a sinalização de casos mas também no processo de reabilitação destes animais, mimando-os e tentando encontrar novas famílias, através de campanhas de sensibilização ou adoção.
É chegado o momento de escrever uma nova página na vida animal em Vizela!