A Taça da Liga

Hélder Freitas

2019-01-31

Partilhe:


Apesar da retoma com o caminho das vitórias por parte do Vizela e do Moreirense (registo normal portanto), do resultado de “hóquei em patins” conseguido pelo CCD em eliminatória da Taça AF Braga ou até do inusitado que é ver três equipas de Vizela nos três primeiros lugares da classificação da prova organizada pela AF Popular de Guimarães quero falar um pouco da Taça da Liga.
Reconheço que a Liga se tem “esmerado” na tentativa de tornar apelativa esta prova que chegou a ser non grata para determinados clubes grandes (e continua a ser, que o diga o FC Porto) mas que até estes já a querem ganhar, tanto mais que a mesma já deixou de ser a Taça Benfica, tal o número de vezes que os vermelhos já venceram, mas passou a ser a Taça da Polémica.
Posto isto, importa debruçar-me sobre os casos mais relevantes. Desde logo as parcas assistências! O preço do bilhete estava longe de ser convidativo, mas clubes que arrastam tanta massa adepta deveriam lotar por completo o da Pedreira, mas o que se viu não foi nada disso. Mais ainda, condenar as atitudes dos que perderam logo na primeira instância (Braga e Benfica). Ambos têm razões de queixa das arbitragens nos seus jogos, mas a razão que tinham perderam-na nas declarações proferidas no pós-jogo. Pessoas que sabem que têm o coração muito perto da boca não deviam fazer declarações a quente. O treinador do Braga e o presidente do mesmo clube reagiram de uma forma como ninguém os viu reagir quando, por exemplo, no jogo com o Rio Ave, em casa, o árbitro deixou passar em claro uma falta passível de grande penalidade naquele que seria o último lance da partida... O presidente do Benfica e a TV do clube usaram de uma linguagem e de uma prepotência como se fossem eles os “donos disto tudo” que teve relação direta com a “suspensão” de um árbitro e com discursos absolutamente ridículos que passaram nas televisões, especialmente vindo de onde vieram, de um clube que foi tantas mais vezes beneficiado do que as que foi prejudicado…
E o que dizer da atitude de quem perdeu a final? Não encontrei nada para adjetivar. Não saber ganhar já é mau que baste, agora não saber perder, é algo que deveria ser banido das mentes menores de quem o pratica. Continuo a achar (e repito-me porque acho que já o referi neste espaço), os ditos grandes são quem faz pior pelo futebol português. São quem o quer ver regredir e que o mancha com imagens, declarações e atos ignóbeis que toldam e, infelizmente, moldam os seus seguidores. Ainda bem que não conseguem com todos!