Vizela: Casos de vespa asiática duplicaram

Em 2016 foram destruídos 83 ninhos, em 2017 o número subiu para os 170.

Segundo Paulo Oliveira, responsável pelos Serviços Municipais de Proteção Civil, a atividade tem sido muito intensa: “Resultou num aumento, na duplicação dos ninhos destruídos. Em 2016, o Serviço Municipal de Proteção Civil procedeu à destruição de 83 ninhos, sendo que, em 2017 foram destruídos 170 ninhos de velutina. Um aumento de mais de 100%”, alerta o responsável.

Em termos de localização, é difícil fixar um padrão. Os ninhos têm sido detetados um pouco por todo o concelho de Vizela: “Nas zonas mais urbanas, o que podemos verificar é que tem havido um alerta mais precoce que nos permite fazer a destruição verifica-se também um aumento de ninhos”.

A vespa velutina foi detetada pela primeira vez em 2011, no Minho,desde então tem-se alastrado a mais áreas do território português.

Explicou Paulo Oliveira que as consequências são mais sentidas junto dos profissionais da madeira. “Tem havido vítimas de picadas. São, na maioria, trabalhadores na área da madeira em que, muitas das vezes, ao procederem ao abate, são picados. Também acontece nos populares. A vespa procura árvores específicas para dali retirarem o material para construírem os seus ninhos e, às vezes, as pessoas estão por perto e são picadas”.

Para conferir no RVJornal, amanhã nas bancas.