Resultados da fiscalização às condutas em setembro

O trabalho de fiscalização das condutas da rede de saneamento, bem como de análise à água, prossegue.

Desde que o Rio Vizela foi alvo de novas descargas, os técnicos da Vimágua continuam no terreno a inspecionar as condutas, com recurso à captação de imagens de vídeo por robot. Questionado pela Rádio Vizela sobre se já existem resultados deste trabalho, Victor Hugo Salgado explica que apenas em setembro estarão reunidas as condições para dar pormenores: “Penso que estaremos disponíveis para dar todas as informações durante o mês de setembro. O relatório tem que ser totalmente concluído, neste momento ainda estamos a fazer levantamentos”.

Segundo o presidente da CMV, depois da intervenção efetuada junto à Marginal Ribeirinha, esta ação de fiscalização, com recurso a um robot, vai estender-se por outros “pontos da cidade, do concelho e do rio”. “O levantamento está a ser exaustivo”, adianta o edil vizelense.

O presidente da CMV lembra que a fiscalização, bem como a aplicação de contraordenações, não é da responsabilidade do Município, mas sim de entidades como a APA (Agência Portuguesa do Ambiente), do SEPNA (Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente) da GNR (Guarda Nacional Republicana), entre outras. “É o que está na lei, não depende da CMV”, disse Victor Hugo Salgado.

Na passada sexta-feira, dia 09 de agosto, a CMV emitiu um comunicado onde refere que “a deteção de ligações impróprias às redes de água pluvial e de saneamento no concelho poderão dar origem a processos de contraordenação, e de acordo com a legislação em vigor, à aplicação de coimas no valor mínimo de 10 mil euros, para particulares, e de 24 mil euros, para empresas”.

“Queremos elucidar todos os vizelenses, queremos chamar a atenção para todos os vizelenses para que se, efetivamente, têm descargas para o Rio Vizela devem acabar com essas descargas, devem retirar as tubagens que possam estar ligadas para que essas descargas sejam efetuadas”, sublinhou Victor Hugo Salgado.