Paula Salgado voltou ao atletismo após 22 anos de paragem

Vizelense corre agora na formação de Ricardo Ribas onde já conseguiu bons resulatdos como Veterana

Foi nos Corta Matos escolares que a vizelense Paula Salgado descobriu o atletismo. Foi lá também que foi descoberta pelo FC Vizela. Já lá vão muitos anos, mas a atleta ainda se recorda destes tempos: “Comecei a praticar atletismo na escola, havia muitas atividades desportivas e faziam-se lá provas de corta mato. Na altura comecei a destacar-me, a ganhar algumas provas e através disso fui chamada para o clube”.

Como aconteceu com centenas de atletas que já passaram pelos clubes vizelenses onde se praticou ou pratica atletismo, também esta atleta foi descoberta por Joaquim Santos, que ainda agora integra a equipa técnica da modalidade, no FC Vizela. “Já tive muitos treinadores, mas recordo-me muitas vezes do Joaquim Santos, que me viu a correr, apostou em mim e me ajudou a começar no clube”, refere. Na altura corria ao lado de grandes promessas, e que hoje em dia são atletas de renome nacional e internacional. “Corria com a Mariza Barros, a Dulce Félix, a Vânia e com o Rui Ferreira, que agora é treinador, mas na altura ainda era atleta, e fazia parte da equipa que tinha muitos atletas, mas estes são os que me lembram mais, até porque depois continuaram a correr”, salienta.

Paula Salgado era, outrora, uma das boas atletas do FC Vizela, mas recorda que teve que fazer opções. “Deixei o atletismo por volta dos 20 anos, quando decidi casar-me. Continuei a correr para manter a forma, mas depois, por motivos de saúde, tive mesmo que parar completamente”, conta.

Quatro anos a fazer um tratamento, devido a problemas de saúde, obrigaram-na a parar. No entanto, o atletismo continuava a preencher os seus pensamentos. O facto de ter que acompanhar a filha para praticar desporto, motivou o regresso à corrida, ainda que no ginásio, enquanto esperava que a aula terminasse. “Depois do nascimento da minha filha decidi colocá-la na natação e aí surgiu de novo o atletismo. Enquanto ela fazia a sua aula, eu comecei também a correr no ginásio. Continuei a treinar cada vez mais, consoante a vida me permitia”, conta.

Assume que “o bichinho estava lá dentro” e que, ao nível da saúde se sentia melhor ao praticar a modalidade: “Mais rejuvenescida e com mais força e mais garra para a vida”.

Paula Salgado estava feliz com esta sua nova condição, pois apesar da vida familiar, conseguia voltar a praticar desporto, mas não sabia o que lhe estava ainda reservado para o futuro.

 

Regresso pelas mãos de Ricardo Ribas

 

 

O regresso à competição para a atleta aconteceu 22 anos após a paragem, agora com 42 anos de idade. Foi no ginásio que Ricardo Ribas se apercebeu do potencial de Paula Salgado e convidou-a a integrar a sua equipa, a El Comandante Team. O convite foi aceite e a atleta passou a ter os seus dias mais preenchidos com uma maior carga de treinos, nada com que se importasse. “É uma coisa que gosto de fazer, por isso não me importo de passar mais tempo a treinar, quando se gosta dedicamo-nos sem qualquer problema”. E após o treino, vieram as competições, que trouxeram consigo alguma ansiedade, pelo menos a primeira, e também um quarto lugar, em Barcelos. A atleta recorda os sentimentos vividos no regresso à estrada: “Não senti medo, porque encontrei na prova muitas pessoas conhecidas que me deram ânimo e o Ricardo Ribas também me deu muita força. Recordo-me que foi em Alvelos, uma prova de 10 km, que me custou imenso fazer. Foi muito bom chegar ao final e perceber que ainda estou em forma e que principalmente aguentava aquele ritmo forte da competição (...) e até consegui um bom lugar ao ficar em quarto lugar”. E este acabou por ser o ponto de partida para uma nova etapa da sua carreira, pois apesar da paragem, o gosto pela corrida e a garra continuavam lá. “A partir desta corrida nunca mais parei. Posso dizer que tenho ambições e quero fazer sempre melhor. Apesar de já Veterana, de já ter 44 anos, julgo que estou sempre a tempo de fazer melhor. Quando entrámos em prova, temos que entrar com garra e como se quer neste tipo de modalidade e no desporto em geral”, ressalva. Já correu algumas mais maratonas, mas confessa que gosta mais de umas distâncias do que outras. “Agora já estou a fazer distâncias mais longas, dez, doze quilómetros e algumas meias maratonas, já fiz três ou quatro, mas sinto-me mais confortável com as provas de 10 e 12 quilómetros, as outras são muito exigentes, requerem muito treino e muito trabalho”.

A atleta faz por esta altura um esforço, neste regresso ao atletismo, que no entanto, tem sido compensado, com bons resultados, nas diversas provas realizadas. Considera que há duas pessoas importantes e, em grande parte, responsáveis por este regresso à modalidade. “O Ricardo Ribas é uma pessoa que me ajuda muito, embora não trabalhemos muito tempo juntos. Marca-me as provas e estamos sempre em contacto. O meu marido é também uma das pessoas mais importantes, neste meu regresso, até começou a correr comigo e também já fez duas provas, apoia-me muito”, conta.

O presente é algo que Paula Salgado nunca pensou viver: “Nunca pensei neste regresso. Apesar de nunca ter deixado de correr, nem sequer pensava voltar a realizar provas. O convite do Ricardo Ribas acabou por despertar o bichinho que lá estava e estou muito feliz por isso”.

Com 44 anos de idade vai construindo uma carreira no escalão de Veteranas, onde ainda tem muita margem de progressão, por isso preocupa-se e vive o momento atual, sem grandes preocupações. “Não penso muito no futuro, vou correndo enquanto conseguir aguentar. Assim é a minha vida, para já. Enquanto conseguir conciliar o atletismo com o resto, quero continuar a correr”.

Apesar de amar a modalidade, considera que podia ser mais justa, no que se refere ao apoio às atletas, em especial às Veteranas, algo que se mantém desde o seu passado como atleta. Há algumas mudanças, mas a base do que é o atletismo mantém-se. O que não mudou foi a falta de apoios, julgo que a modalidade e os atletas não têm o poio suficiente e se falarmos nos Veteranos as coisas ainda pioram, pois acho que é um escalão descriminado em relação a outros. Há muitas mais mulheres, em relação à minha juventude e também muitas atletas Veteranas”.

Acredita que atletismo torna a sua vida melhor, por isso, aconselha sobretudo as melhores a praticar desporto. “Façam desporto, se não gostarem de correr, andem, andem de bicicleta, mas façam alguma coisa, pois torna a nossa saúde e a nossa vida muito melhor. É algo muito bom, que já encontrei há muitos anos e que não quero voltar a deixar, é uma sensação de liberdade, que temos que adotar para a vida”, assegura.

A prova mais recente de Paula Salgado foi o 38º Grande Prémio de Atletismo da Silva, que se realizou no passado dia 28 de outubro. A Atleta completou os 10 kms da prova com o tempo de 0.44:44" o que lhe deu o 3º lugar na categoria F35. Após o seu regresso a atleta vizelense realizou 19 provas, com bons resultados.