Movimento apresentou esta noite a sua Comissão de Honra

Comissão de Honra do Movimento Vizela Sempre é composta por mais de uma centena de elementos.

O Movimento Vizela Sempre (MVS) apresentou, esta noite, a sua Comissão de Honra, composta por cerca de 130 pessoas ligadas à política, à medicina, ao mundo empresarial, à educação, às artes, ao associativismo, ao desporto, entre outras. “Esta é maior Comissão de Honra desde que Vizela é concelho” afirmou Victor Hugo Salgado, candidato do MVS à Câmara Municipal de Vizela (CMV).

João Cocharra lidera Comissão de Honra do MVS. “Este é um momento que tanto pode ser de mudança como de continuidade. É isso que os vizelenses têm que escolher”, referiu João Cocharra, deixando também uma palavra para a equipa da Comissão de Honra: “São pessoas, nas suas mais variadas áreas, com provas dadas, pessoas que aceitam, com o seu somatório de valores nesta caminhada eleitoral, contribuir para uma Vizela melhor. São pessoas que se juntam ao MVS para demonstrar a sua vontade de mudança e um novo rumo no nosso concelho”.

Ora, mudança é o que pretende Victor Hugo Salgado. Para o candidato à CMV, a mobilização que o MVS tem reunido e a Comissão de Honra, composta por mais de uma centena de personalidades, provam, no seu entendimento, “o apoio ao MVS, o descontentamento com a Câmara e com o PS, e que a coligação PSD/CDS-PP não representa, nem nunca representou em Vizela, uma alternativa”.

O discurso de Victor Hugo Salgado terminou com os projetos, nas mais diversas áreas, que o MVS quer implementar no concelho, nomeadamente, na educação: a criação de conteúdos programáticos como a identidade histórica; criar canais privilegiados entre as Associações de Pais, os professores e a Câmara Municipal; criar uma equipa permanente de apoio às escolas; até ao final do ano, aprovar uma revisão orçamental que permita fazer um fundo de emergência de apoio às escolas com 500 mil euros. Na cultura, sublinhou Victor Hugo Salgado, é necessário rever a programação cultural, reeditar eventos que já existiram, criar novas iniciativas e produzir uma agenda cultural.

 

Mais pormenores na próxima edição do RVJornal