Filipe Godinho venceu Taça de Portugal de Culturismo

Atleta do Ginásio Vizela Fitness venceu em Seniores e Juniores e foi segundo no Campeonato do Mediterrâneo

 

Natural de S. Salvador do Campo – Santo Tirso, o culturista de 22 anos, faz a sua preparação no Ginásio Vizela Fitness, que tem sido importante para a sua formação, na modalidade. Há cinco anos a praticar culturismo, o atleta parece agora atingir um ponto alto da sua carreira, com três trofeus conquistados em duas semanas, a Taça de Portugal em Seniores e Juniores no Troféu Carlos Rebolo e o vice título no Campeonato do Mediterrâneo.

 

O Culturismo ganha cada vez mais adeptos É um desporto para homens e mulheres que são exemplos de determinação. Passam longas horas no ginásio e controlam absolutamente tudo o que comem em nome do corpo perfeito. O atleta que hoje lhe damos a conhecer é um desses exemplos. Há cinco anos a trabalhar, colhe agora os primeiros frutos de anos de muito treino, muitas privações e muito investimento financeiro em alimentação, uma das partes importantes, para se ser um culturista de sucesso.

Braga recebeu no último fim de semana de novembro, a edição deste ano da Taça de Portugal, o denominado Trofeu Carlos Rebolo, competição que esteve integrada do Portugal FIT. Nesta competição houve um atleta que sobressaiu. Trata-se de Filipe Godinho, que de segunda a sábado trabalha no Ginásio Vizela Fitness, que tem apostado no seu trabalho, num apoio contínuo nos últimos anos. O objetivo do culturismo é melhorar a estética do corpo, através da utilização de pesos, de halteres e de máquinas. Ou seja, o essencial é trabalhar o corpo, dando-lhe formas e proporções harmoniosas. Parece simples, mas não é, como explicou Filipe Godinho ao RVJornal. Isto porque nem só o treino é exigente. Também a dieta alimentar, que potencia os resultados, é muitíssimo rigorosa. É por tudo isto que ser culturista significa ter uma grande paixão pela modalidade. Em 2014, quando começou nem lhe passava pela cabeça o que iria ser a sua carreira. “Comecei em 2014, num pequeno ginásio, na Vila das Aves, onde na altura treinavam alguns culturistas. Disseram-me que eu tinha o perfil, para competir e ser atleta da modalidade”. Foi numa gala no ginásio que tudo começou: “Organizámos uma Gala que toda a gente gostou, entendendo que eu tinha muito potencial. No ano a seguir, o colega que me treinava propôs-me ir competir ao Campeonato Regional de 2019, na Póvoa de Lanhoso. Entrei na categoria de 80 kl, dias categorias acima da minha, tinha 19 anos, mas acabei por dar nas vistas”, revela.

Foi a partir desta altura que Filipe Godinho despertou também o interesse dos responsáveis federativos da modalidade. “Gostaram de mim, encontrei um novo preparador, o Ali Butcher, muito conhecido nestas andanças. Comecei a trabalhar com ele, mas não correu muito bem e no ano seguinte, mudei de treinador, foi quando conheci o Ricardo Gerónimo, o meu atual preparador”.

Foi nessa altura que as vitórias agora conquistadas começaram a ser preparadas. “Começamos desde essa altura a preparação para o Troféu Carlos Rebolo e foi sempre um subir de expetativas, já lá vão cinco anos, desde que estou a praticar culturismo. E os resultados estão ai, venci as provas de Juniores, para atletas até 23 anos e a de Seniores”.

Confessa a emoção com as vitórias conquistadas, pois significam o resultado da sua dedicação e do seu trabalho, com mais destaque para as últimas semanas: “Foram 15 semanas de preparação para a Taça de Portugal, com treinos muito exigentes a todos os níveis. Na minha vitória no Troféu Carlos Rebolo, na categoria de Juniores emocionei-me muito, pois era algo por que já lutava há muito tempo”.

O atleta destaca a necessidade de trabalhar todos os músculos. “Treino de segunda a sábado, com cerca de duas horas e meia para trabalhar todos os músculos do corpo. Um treino feito no ginásio, com duas etapas distintas, nas máquinas para desenvolver a massa muscular e o treino cardiovascular, para queimar gorduras e definir o corpo”, revela. 

 

As privações e as marmitas

 

A alimentação é o grande segredo dos culturistas que, em média, fazem seis refeições por dia. A alimentação e os suplementos ajudam o atleta a alcançar os seus objetivos. Filipe Godinho não foge à regra, no entanto afirma que gasta bastante dinheiro com esta parte importante da sua atividade desportiva. “Quando ganhámos provas, não temos prémios financeiros, apenas os trofeus, o que quer dizer que não há qualquer retorno do dinheiro que investimos”. E não é pouco, tendo em conta o que temos que ingerir diariamente. “Temos que ter muito cuidado com a alimentação que ingerimos. É um desporto que nos obriga a ingerir mais quantidade de comida, sendo que se gasta muito dinheiro na alimentação e suplementação. Temos que ingerir muita proteína, multivitamina, glutamina, ómega 3, tudo o que necessitamos para manter a massa muscular e estar sempre em rendimento. Temos que ingerir muita carne branca, frango, peru, peixe, tudo com baixa percentagem de gordura e ainda arroz e massa”. Há ainda alimentos proibidos, para quem quer seguir à risca a dieta do culturista, “não se podem ingerir, gorduras, doces e carbo hidratos”, refere. É um desporto que às vezes vemos associado à toma de anabolizantes, uma imagem que, garante o atleta, não passa de um mito, que se esbate a cada dia. Nas nas provas, antes de subir ao palco, somos todos obrigados a fazer o controlo antidoping. Por isso, aos poucos as mentalidades estão a mudar. Não é necessário isso para atingirmos os nossos objetivos, basta estarmos focados, termos paixão pelo que fazemos, que consegue-se o que queremos”, afirma.

Esta acaba por ser também uma vida de privações, quer ao nível da alimentação, quer da vida social, por isso assume que anda sempre com as marmitas atrás de si. “Quando estamos em preparação, temos mais privações, não podemos sair para jantar e quando vamos, levamos as marmitas connosco, ando sempre com a comida atrás. Fora de época, há mais liberdade, podemos às vezes comer um bolo, mas tudo com cuidado”. A mãe é a sua grande ajuda, apesar de preferir que tivesse optado por outra modalidade. “A minha mãe ajuda-me muito com essa situação, pois como sou segurança privado e tenho muito tempo ocupado, ela ajuda-me com a comida e sempre me apoiou, apesar de não gostar muito que eu pratique a modalidade”.

Questionado sobre se tem sucesso entre o sexo feminino devido aos seus músculos, salienta que nem todas as mulheres gostam da imagem do culturista. “Há quem goste e há quem não goste. Muitas dizem-me que é um exagero, outras sentem-se atraídas pelos músculos”.

Filipe Godinho está num bom momento da sua carreira, onde o esforço está a garantir-lhe os primeiros prémios, mas sonha com mais.” O objetivo é tornar-me profissional, depois já se sabe gostava de ser Campeão do Mundo. Eu entro sempre para ganhar, para fazer o melhor. Não há limites de idade, já competi com gente de mais de 40 anos. Há culturistas no ativo com mais de cinquenta anos”. Ainda assim, salienta que não se pode prometer muito, “espero que este seja o início de algo grande, mas tenho os pés assentes na terra, e não posso prometer muita coisa, pois não se sabe o dia de amanhã”. Tem um brasileiro como ídolo, alguém que tenta seguir e imitar. “Gosto do Rafael Brandão, um brasileiro que admiro”.

 

Vice campeão no Campeonato do Mediterrâneo

 

Depois das vitórias no Troféu Carlos Rebolo, Filipe Godinho foi selecionado para representar o nosso país no IFBB Campeonato do Mediterrâneo 2018, que foi realizado em Odivelas, entre 01 a 03 de dezembro passado.

O jovem atleta participou na prova até 75 kgs e sagrou-se vice campeão, atrás de um libanês, que conquistou o título do Mediterrâneo, nesta categoria.