Cidade da Música para assistir hoje e sábado na SFV

O musical vai decorrer no anfiteatro da instituição, às 21h30.

A Academia de Música da Sociedade Filarmónica Vizelense (SFV) promove nesta sexta-feira e sábado, dias 05 e 06 de julho, o musical Cidade da Música.

O espetáculo vai decorrer no anfiteatro da instituição, às 21h30.

Telma Mota é professora de oboé, mas, neste espetáculo, coube-lhe uma função muito particular que foi tratar dos figurinos. “Comecei por ver as personagens, tentar perceber o que cada um faria dentro da história e, depois, fui fazendo uns pequenos desenhos daquilo que achava que iria bem a nível de guarda-roupa para cada um deles. Arranjámos os materiais e as costureiras já estão a fazer as roupas”, partilhou Telma Mota.

Cidade da Música “é um espetáculo bastante atual, mas que vai alternando por vários cenários, vamos desde um deserto, a uma floresta, até à cidade, ele vai passando por quatro sítios e, dentro de cada um, iremos ter um guarda-roupa adequado. Por exemplo, no deserto vamos ter um guarda-roupa dentro dos tons amarelos, depois vindo para a floresta, mais verdes. Acho que vai ser muito giro”, explicou a docente.

 

História dinâmica passa por diferentes cenários

 

Curioso com a história?! Vânia Bajão, professora de violino e que teve um importante papel na coordenação deste musical, levanta um pouco o véu: “Temos um início de história onde algo acontece, portanto, uma cidade muito melódica, muito rítmica, daí se chamar Cidade de Música. A cidade é envenenada e aqui, surgem duas crianças, duas personagens principais, a Melodia e o Ritmo, que não se conformam com o que aconteceu e vão numa viagem musical procurar uma forma de reverter o feitiço que foi lançado, que silenciou toda a Cidade da Música. Quem é que silenciou a Cidade da Música? Foi uma personagem, o feiticeiro que é, digamos, uma personagem mais aborrecida, mais rabugenta, que estava farto de ouvir crianças a cantar, alegres, e decidiu lançar uma poção mágica que envenenou toda a cidade e, neste caso, proibiu as personagens de cantarem e mesmo de falarem. Durante esta história, vamos passar por vários cenários, onde as personagens principais vão tentar arranjar soluções para resolverem este problema”.

Vizela pode ser a Cidade da Música nestes dois dias de musical? Vânia Bajão acha que sim: “Claro que pode. As crianças podem sonhar e podem, sobretudo, tentar colocar-se um bocadinho no lugar das personagens porque como são personagens muito jovens, acaba por ser um modo de motivação para quem ouve”.