Rádio Vizela, Resgate Salta e Adelino Rosas homenageados

Foi um dos momentos altos da sessão solene evocativa dos 19 anos de Município, esta manhã.

Por deliberação em sede de reunião do Executivo, a Câmara Municipal de Vizela procedeu, nas cerimónias solenes evocativas do 19 de Março de 1998, a homenagens distintivas a duas personalidades bem conhecidas dos vizelenses, Adelino Rosas, pároco de Infias, Maria do Resgate Salta, médica e figura ligada ao associativismo local, e também a uma instituição, nomeadamente a Rádio Vizela.

Foi um dos momentos altos da sessão solene que contou com um Auditório Luís Lopes Guimarães bem composto.

Médica Resgate Salta emocionada durante homenagem

A primeira a subir ao palco foi Maria do Resgate Salta. Apesar de ter nascido em Lisboa, tendo passado por Luanda onde se formou, chegou a Vizela para ingressar no Centro de Saúde Local em 1986. Foi responsável pelo Núcleo de Educação para a Saúde e pelo Núcleo da Diabetes, foi Coordenadora da Extensão de Saúde de Moreira de Cónegos, Ingressou na equipa da Unidade de Saúde Familiar Physis em 2007 e, apesar de ter consultório particular, distingue-se pelo facto de recusar honorários aos mais necessitados. Passou pela política como vereadora da Coligação PSD-CDS/PP e é membro ativo do Rotary Club de Vizela. Maria do Resgate Salta, que perdeu um dos seus dois filhos num acidente de viação, é pelos vizelenses muito acarinhada e recebeu a distinção das mãos de Fernando Carvalho, presidente da Assembleia Municipal. “Agradeço aos meus filhos, à minha família que veio de Lisboa para me apoiar, aos meus amigos de Vizela, família Pinto, que são como minha família, à minha amiga Ivone Guimarães e a todas as associações de Vizela que me tê ajudado a viver depois do falecimento do meu filho. Obrigada a todos os vizelenses que me acolheram muito bem há 31 anos que me fizeram sentir desta terra”, disse, emocionada, Resgate Salta.

Papel da Rádio Vizela no passado e no presente enaltecido

A Rádio Vizela recebeu a Medalha de Mérito Municipal Grau Prata, na sessão solene desta manhã. Uma homenagem feita a esta estação emissora pelo papel que assume hoje em dia no seio da comunidade dos Vales do Ave e do Sousa. Também pelo papel importante que teve aquando da luta do povo de Vizela nas suas investidas junto do poder central para a restauração do concelho. “Ao longo dos anos, a Rádio Vizela manteve a sua linha de veículo de divulgação dos povos, pautando-se ainda hoje, como a voz daqueles que não têm voz”, referia a nota introdutória à distinção.

Coube a Raúl Pereira, um dos fundadores e primeiro presidente da Direção da Cooperativa, que completa este ano 31 anos de existência, receber a distinção, entregue pelo edil Dinis Costa. “Este não é mais do que um reconhecimento de um serviço que, desde o início, a Rádio Vizela tem prestado à população da sua área. Hoje, comemoramos uma data na qual a Rádio Vizela deu também o seu grande contributo”, afirmou Raúl Pereira.

Refira-se que o papel que a Rádio Vizela e o RVJornal desempenham na transmissão da mensagem, na senda do serviço público ao seu auditório, foi enaltecido por praticamente todos os intervenientes da sessão solene. Na plateia estavam representantes da Cooperativa, entre eles, o atual presidente da Direção, Armindo Faria, e Carlos Martins, presidente da Assembleia Geral.

Humildade e obra de Adelino Rosas reconhecida

Adelino Rosas recebeu a Medalha de Mérito Municipal Grau Prata, entregue por Pedro Mota Fernandes, Ministro do Ambiente. Com a humildade que lhe é reconhecida, o pároco de Infias, desde 13 de outubro de 2015, desde sempre dedicado aos mais necessitados, sempre de coração aberto, falou aos presentes: “Agradeço em primeiro lugar ao Senhor. Procurei ser sempre uma pessoa simples, dedicada aos outros, aos irmãos, na fé e mesmo sem fé. Agradecer à Câmara, não querendo fazer propaganda religiosa, este ato é sinal de que Deus também mora na Câmara Municipal de Vizela”.

Natural de Cossourado, Barcelos, foi ordenado sacerdote em 1966. Foi professor de Português e Filosofia, terminado em Vizela a sua carreira como docente e “com muito orgulho” como referiu.